13/04/2014

Talvez as crianças saibam dizer

Por Aline Diedrich

http://weheartit.com/entry/88230786/search?context_type=search&context_user=THEWriter19&query=soldier+letter


O céu permanece acinzentado. Há muito tempo não vejo outras cores. E não se engane se um dia eu falar sobre a essência do ar por aqui, pois estou impregnado de poeira e fumaça. Dos sons, restou o silêncio que, se me representava agonia, hoje quase desenha ou personifica o alívio como declaração de que findaram os gritos.

...

Dos nossos verões e das outras detestáveis estações, eu ainda guardo teus risos e sinto o gosto do etílico que me apresentou ao seu alter ego, garota. Guardo também as nossas combinações e frases politicamente incorretas que desafiavam a ordem, supostamente natural, das coisas.

...

Meus batimentos não acompanham meus passos lentos. As crianças que restaram correm e, juro por aqueles nossos sagrados segredos, não entendo como encontram vida em meio aos destroços. Tudo que percebo são peitos mortos e, hipoteticamente, honrados pela medalha que me fizeram ostentar...

...

Em ato ritualístico recordo sempre as suas frases e jeitos. Excêntrica, você ria o tempo todo. Na malandragem de sacar os meus delírios e desejos com palavras e gestos supérfluos. Eu, tolo, me deixava enganar por seus blefes, garota.

...

A estátua de marfim, esguia e sobrevivente, sorri. As pessoas não. As pessoas estão tanto ou mais paralisadas, sequer respiram, e não importa o que isso significa. Você percebe? Mais do que corpos, há equívocos e paradoxos por toda parte.

...

A catedral também está em ruínas, mas preserva um sino que, de repente, insistente badala e desperta dentro de mim o barulho e a inquietação. Misturo, outra vez, a coragem e uma aversão aos pensamentos e até às minhas epifanias...

A aversão, bom, explico:
Já faz algum tempo, amor, que você não escreve.

...

P.S. Tento me apegar na esperança de que suas cartas se perderam na distância. Porém, aqui não há certezas... Talvez as crianças saibam dizer...

© Licença Creative Commons


Este texto é sequência de:



17 comentários:

  1. Olá Aline.
    Te desejando um excelente dia.
    Com certeza amiga, as crianças sempre sabe de tudo e não mentem jamais. Esplendíssimo conto, gostei muito. Agradecendo por partilhar e sempre que postar temas tipo estes, me indique, pois adoro prestigiar os amigos.Abraços sempre.
    ClaraSol.

    ResponderExcluir
  2. Belos fragmentos, percepções esparsas, retalhos de cotidianos. Gostei, Aline.

    ResponderExcluir
  3. Eu fui lendo e em minha mente foram formando-se fragmentos de imagem como se fizesse do
    seu texto lembranças só minhas, ler esse texto foi como encontrar algo há muito perdido em mim.
    Acho que também espero cartas que a distância extraviou.

    Me encantou.
    Beijos, Aline.

    eraoutravezamor.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. "Meus batimentos não acompanham meus passos lentos."
    Parabéns Aline, como sempre, muito bela e reflexiva sua escrita!

    ResponderExcluir
  5. Parabéns pelo texto, adorei as ligações feitas ao longo!Me fez imaginar a cena com nitidez.
    Beijos,
    http://misssorrisos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Nossa! Adorei Aline. Você tem talento hein? Gostei da forma reflexiva e profunda com que você escreve.
    Beijos!
    www.lerimaginarviver.com

    ResponderExcluir
  7. Muito bom, um misto de tristeza, e boas recordações, um maravilha, adorei mesmo.
    Parabéns Aline, grande abraço!

    ResponderExcluir
  8. Fazia tempo que não visitava seu blog; seus textos continuam ótimos.

    petalasdeliberdade.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Como sempre belíssimo.
    Eu estava com saudades daqui e de ti lá no blogue.
    Gostei deste layout.

    ResponderExcluir
  10. nem sei o que dizer sobre seu texto, vou lendo e me envolvendo nele, lindo adorei sua maneira de escrever..bjs
    estou retribuindo a visita do blog www.rosachiclets.com.br
    o meu é www.blogpinkmakeup.com

    ResponderExcluir
  11. Caramba que texto lindo e profundo!
    Cada palavra pareceu tão bem escolhida que fez a leitura simplesmente fluir!

    Parabéns pelo texto. Vou compartilhar bas minhas redes.bjs

    ResponderExcluir
  12. Consegui aguçar a minha imaginação lendo o teu texto, Aline. Muito bom.

    http://tonsdesepia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  14. Que vc tenha um maravilhoso final de semana.
    http://crismandarini.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. "Meus batimentos não acompanham meus passos lentos" que perfeito isso!
    Quantas vezes me vejo nessa situação!
    Amei!!
    Bjs da Le
    http://leversosecontroversias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Eu amei. Ainda mais essa parte.

    A catedral também está em ruínas, mas preserva um sino que, de repente, insistente badala e desperta dentro de mim o barulho e a inquietação

    Como td isso se encaixa comigo

    ResponderExcluir